Page optimized by WP Minify WordPress Plugin

 "Favelado Game" gera uma nova polêmica na internet | Pastor Claybom
nav-left cat-right
cat-right

"Favelado Game" gera uma nova polêmica na internet

Depois do “Favela Defender”, jogo onde usuários que conseguissem explodir caveirões, helicópteros e, principalmente, promover uma chacina tendo como vítimas policiais ganhava mais pontos, outro título, o “Favelado Game”, está gerando polêmica. O jogo gratuito, que foi lançado por alemães e em dez dias já reuniu quase 32 mil usuários só no Brasil, coloca o jogador na posição de morador de uma favela que, para “melhorar de vida”, é incentivado a pedir esmolas, conquistar ruas através de roubos, juntar-se a gangues e cometer vários tipos de crimes. O objetivo maior é conquistar o estádio do Maracanã.

Ao criar um cadastro no jogo, que pode ser realizado pelo site www.faveladogame.com.br, uma mensagem de “boas-vindas” é remetida ao e-mail do usuário. “Aí cumpadi (sic!), bem-vindo ao Rio de Janeiro. Aqui a vida é superdiferente da do resto do Brasil. A cerveja é mais gelada, a gororoba mais gostosa, os animais mais diferentes e a música muito mais maneira que no resto da terrinha. Mas para ser um favelado bem-sucedido você vai ter que ralar! Quem quiser conquistar o Maraca vai ter que acordar cedo e ficar de olhos bem abertos!”

Delitos – Após estar on line, o jogador tem que executar tarefas para acumular pontos, que estimulam o crime e a violência, como assaltos a carrocinha de cachorro-quente, furto em igrejas e até assaltos em sinais de trânsito. A criação de gangues, para quem tem pontos suficientes para isso, é outra opção. Muitas delas já ganharam nomes como Comando Vermelho e Terceiro Comando (facções que controlam o tráfico de drogas no Rio de Janeiro), e Pão com Ovo (como é conhecido Luiz Cláudio Gomes, traficante que comanda o tráfico no Morro do Martins, em São Gonçalo).

Dono de uma lan house na Zona Norte de Niterói, João Félix, de 26 anos, mostra preocupação com o novo jogo. Receoso com a repercussão entre os jovens, não está permitindo seu acesso no estabelecimento.

“Quando a loja foi aberta, coincidiu com a febre do Counter Strike (jogo de tiro em primeira pessoa que chegou a ser proibido no país). Na ocasião, muitos menores vinham para cá jogar. Com algumas multas recebidas e muito aborrecimento com os jovens, decidimos extinguir todos os jogos que pudessem ter conotação de violência. É muito mais prudente”, argumentou.

Humor – Para  Karen Hagele, assessora da Farbflut Entertainment, criadora do game, o jogo não é violento. A empresa recomenda o título para maiores de 14 anos.

“O Favelado Game é um jogo de estratégia com veia satírica. Os jogadores precisam se unir para se tornarem mais fortes no game, um valor importante no nosso entendimento, pois é importante para os jovens ter a capacidade de pedir ajuda para crescimento. Não é o jogo que representa riscos para o comportamento dos jovens. O risco se encontra pelo fato de tantos jovens realmente viverem em favelas e não encontrarem saídas para essa situação”, alegou Hagele.

Para ela, não há comparação do Favelado Game com outros jogos que incitam violência, como Counter Strike, Favela Defender ou Carmagedon.

“A violência não é o tema principal do jogo e sim o trabalho em equipe, que levará o jogador ao sucesso. Claro que alguns elementos satíricos estão presentes no jogo, como pequenos assaltos, bebedeira e brigas, mas isso não caracteriza incitação ao crime”, avaliou.

Investigação – A delegada-titular da Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI), Helen Sardenberg, informou que vai investigar se o jogo faz apologia ao crime, mas já o definiu como de mau gosto.

“Em princípio, não verificamos indícios de incitação criminosa. É um jogo de mau gosto, que explora a nossa realidade social tão dura. Ainda não instauramos inquérito, pois ainda iremos estudar se há apologia ou incitação à violência. Quem joga esse jogo parece viver em um mundo fantasioso, e, em princípio, não alimenta tendências criminosas, até mesmo porque não detectamos condutas violentas dentro do site”, argumentou a delegada, acrescentando, porém, que ‘não incentivaria seu filho a jogar’.

Para presidente do Grupo Tortura Nunca Mais, valores que são passados aos jovens estão sendo invertidos
Para a psicóloga e professora de Estudos da Subjetividade da Universidade Federal Fluminense (UFF) Cecília Coimbra, o crescimento da violência nos games atinge o comportamento de jovens e adolescentes.

“Isso não me espanta, pois vejo filmes tidos como infantis serem extremamente violentos. Esses jogos não aparecem por acaso. Isso tem muito a ver com a sociedade capitalista, onde aquele que compete e vence é o valorizado, não importa como é obtida essa vitória. A maioria desses jogos é de origem japonesa ou norte-americana, países reconhecidos como competitivos. Mas há muitas ramificações, pois estamos numa guerra civil e para sobreviver muitos acham que é matando que se resolve. Essas pessoas são perigosas para sociedade”, afirmou a psicóloga, que também é presidente do Grupo Tortura Nunca Mais (RJ), fundado por ex-presos políticos que sofreram durante o regime militar.

Para ela, os valores para a consolidação do caráter infanto-juvenil estão invertidos. “As crianças são muito interativas e estão muito agressivas. Um simples joguinho produz subjetividade, interfere na consolidação do caráter de um ser humano. Que lógica é essa? A de destruição, de dominação, de extermínio? Falta maior ação do poder público”, completou.

Fonte: O Fluminense



Publicado por Pastor Claybom, pai apaixonado, nerd como marca de nascimento, geek por paixão, adorador por excelência. Enfim, um servo de Deus que tenta entender tudo o que Ele nos oferece no dia a dia.



7 Comentários para “"Favelado Game" gera uma nova polêmica na internet”

  1. […] This post was mentioned on Twitter by Pastor Claybom. Pastor Claybom said: No #BlogPastorClaybom Um jogo onde vc é o favelado! http://migre.me/BA2U – Visitem, comentem e RT, please! […]

  2. Abner disse:

    Realidade e bem penssado esse jogo é mó atraza lado-memo

  3. Darwin disse:

    Alguém aí tem um trocado pra me dar ??

  4. joao disse:

    Realmente…
    o mundo jás do Maligno. há há há

  5. eduardo disse:

    o jogo é mais engraçado do que qualquer coisa! se a “criança” tiver menos de 14 ate pode influenciar em algo(mesmo assim duvido muito) mas como o jogo nao é pra menor de 14, nao tem problema nenhum, o jogo pra quem joga é visto como engraçado, nao como a tia ta falando ae 😉

  6. gustavo disse:

    kkkkkk
    nao vejo nada de violento. o jogo nao foi criado especificamento para o rio, tem da alemanha, da holanda eua entre outros

  7. Michael Cardoso disse:

    Nao sou pisicologo , terapeuta nem tenho nenhuma qualificaçao academica, mas para mim isso eh uma grande besteira, cresci em meio a jogos eletronicos de tiro e etc. e nunca me senti incentivado a fazer barbarie por ai, isso eh desculpa de páis que colocam a educacao dos filhos na mao da escola e de autoridades que poderiam se preocupar mais com oq realmente importa para os jovens de favelas, Cultura , saude ,esporte e antes de mais nada educaçao de qualidade.

    A Paz .

Deixe seu Comentário