Page optimized by WP Minify WordPress Plugin

 RESAR #12 – A Viagem do Peregrino da Alvorada | Pastor Claybom
nav-left cat-right
cat-right

RESAR #12 – A Viagem do Peregrino da Alvorada

Olá!
Sejam bem-vindos ao RESAR – Relação Entre Schias, Arte e Religião, a coluna que traz obras de arte e as analisa sob uma ótica cristã.
Você pode participar dando ideias nos comentários!

Chegou a hora de encerrar esta trilogia sobre os filmes de As Crônicas de Nárnia, de C.S. Lewis. Como sempre, me ajudando (salvando, até) está ela, Laila Flower! Palmas pra ela!

Bom, A Viagem do Peregrino da Alvorada, como filme, foi um projeto conturbado. A Disney decidiu que não produziria o terceiro filme, e por algum tempo a situação ficou indefinida, até que a 20th Century Fox decidiu bancar para que a saga continuasse. Valeu, Fox!

A história mostra Edmundo e Lúcia, mais crescidos, ainda na Inglaterra, enquanto os irmãos Pedro e Susana estão nos Estados Unidos. Os que ficaram moram com uma tia  e com um primo desagradável, Eustáquio. Um dia eles notam que um barco em uma pintura se mexe e, quando Eustáquio tira o quadro da parede, cai água até eles estarem no mar de Nárnia, sendo resgatados por aquele mesmo barco, o Peregrino da Alvorada, liderado por Caspian.

Enquanto Edmundo e Lúcia logo se familiarizam com a situação, em que Caspian tenta achar fidalgos desaparecidos, Eustáquio acha que tudo aquilo é uma alucinação, até ser confrontado com a verdade direta. O porém é que esta busca pelos fidalgos os leva a descobrir a ameaça da Ilha Negra, um lugar de onde sai um mal terrível que se aproveita dos medos das pessoas para paralisá-las e usá-las como bem entender. Cabe a eles agora resgatar os fidalgos e unir suas espadas para destruir a Ilha Negra, que fica próxima da terra de Aslam.

Como fica claro no início, Eustáquio é mais uma alfinetada nos ateus e céticos mas, principalmente, nos professores de universidades, sempre cheios de si e achando que tinham a razão e a lógica em todos os assuntos. Eustáqui considera seus primos inferiores, burros.

MAS E A RELIGIÃO?

Bom, toda a viagem pelos mares mostra quando precisamos ir a lugares desconhecidos, fisica e metaforicamente, para cumprir nossas Missões. As vezes a Missão está do nosso lado mas as vezes está em encarar o obscuro, como servir em um local a centenas de milhas, desbravar novos mundos, sem largar dos amigos. Mas nisso lembramos também da passagem em que Jesus diz “Largue teu barco e siga-me” para Pedro, Tiago e João.

Durante toda a viagem falam da terra de Aslam, o Além-Mar, que nada mais é que o Reino dos Ceus. Lá temos o Imperador do Além-Mar: Deus.

No que temos a Ilha Negra, que nada mais é que uma tentativa do mal sobrepujar o bem. Tivemos a tentação (Feiticeira Branca) e a prepotência (Telmarinos), mas agora o problema é encarar seus próprios medos. A pessoa corajosa não é aquela que não sente medo, mas que não se abala por ele. Como Eustáquio, que sofre uma transformação no meio da história, se tornando prova viva de que as vezes as provações e dificuldades são o que mostra o Amor de Deus por nós.

No final, Aslam diz a Edmundo e Lúcia que seus momentos em Nárnia acabaram, e eles não retornarão mais, assim como os irmãos. Segue uma das mais belas passagens da saga:

– Minha querida – respondeu Aslam muito docemente –, você e seu irmão não voltarão mais a Nárnia.
– Aslam! – exclamaram ambos, entristecidos.
– Já são muito crescidos. Têm de chegar mais perto do próprio mundo em que vivem.
– Nosso mundo é Nárnia – soluçou Lúcia. – Como poderemos viver sem vê-lo?
– Você há de encontrar-me, querida – disse Aslam.
– Está também em nosso mundo? – perguntou Edmundo.
– Estou. Mas tenho outro nome. Têm de aprender a conhecer-me por esse nome. Foi por isso que os levei a Nárnia, para que, conhecendo-me um pouco, venham a conhecer-me melhor.

E que todos nós conheçamos melhor a Jesus em nossos corações.

A Viagem do Peregrino da Alvorada é uma história mais suave que as anteriores, e o filme traz uma sensação maior de vida, ainda mais navegando pelo oceano.

E assim acaba a primeira temporada de RESAR. Logo mais volto para mais 12 análises de obras de arte sob a visão da religião. Mandem ideias e sugestões! Participem! E fiquem de olho aqui no site do Pastor Claybom! Quando menos esperarem, eu voltarei. =)



Publicado por Vinícius Schiavini, Vinícius Schiavini é podcaster, blogueiro, professor, consultor, empresário, Ministro e mais 684 profissões.



Um Comentário para “RESAR #12 – A Viagem do Peregrino da Alvorada”

  1. RJP disse:

    O Peregrino da Alvorada é o meu livro favorito, é o c/ + aventura, o + divertido, e um dos + leves. E a passagem final é de arrepiar.

    Longa vida ao RESAR!

Deixe seu Comentário