Page optimized by WP Minify WordPress Plugin

 Finalmente, catálogo dos beatles em formato digital, mas não online | Pastor Claybom
nav-left cat-right
cat-right

Finalmente, catálogo dos beatles em formato digital, mas não online

apple_post

Maçã USB com músicas dos Beatles

A EMI e a Apple Corps estão prestes a anunciar mundialmente uma edição limitada de pendrives USB em formato de maçã verde contendo o catálogo completo das músicas dos Beatles. O lançamento está previsto para o começo de dezembro. É a primeira vez que o catálogo do quarteto inglês é vendido em formato digital.

De acordo com o site oficial da banda, serão disponibilizadas 30.000 unidades de armazenamento em formato de maçã verde, lembrando a marca da gravadora, com o logotipo dos Beatles impresso. Cada maçã custa, no Reino Unido, 200 libras (cerca de R$ 600).

Maçã USB com músicas dos Beatles

O dispositivo inclui todos os 14 álbuns dos Beatles, incluindo o conteúdo gráfico de todos os CDs e 3 mini-documentários sobre as gravações de estúdio, fotos raras e informações sobre o grupo de Liverpool.

A maçã vem com 16GB de informações, músicas no formato FLAC 44.1Khz de 24bit e MP3 320Kbps, totalmente compatíveis com computadores Mac e PC.

Pela primeira vez o conteúdo da banda é disponibilizado digitalmente. Conforme nota publicada pelo site Ars Technica, desde 2006 a Apple Corps estuda vender as músicas do grupo neste formato, mas nenhuma atitude nesse sentido havia sido tomada até a apresentação do novo produto. Não há venda em nenhum serviço online como o iTunes Store ou a Amazon, que inclua apenas os arquivos: é necesário adquirir a maçã física. A pré-venda já está sendo feita na loja oficial dos Beatles, através do link bit.ly/BeatlesStore.

Os produtos chegam ao mercado mundial no dia 7 de dezembro, com exceção da América do Norte, que receberá as maçãzinhas no dia seguinte.
Apple versus Apple

Vale lembrar que o conteúdo está dentro de uma maçã, mas não é a “outra” maçã. A Apple Corps, dos Beatles, e a Apple, Inc, do iPhone, vêm enfrentando-se nos tribunais desde 1978, quando a companhia dos Fab Four, mais antiga, processou sua homônima por infração de patentes. A ação foi retirada após um acordo extra-judicial em 1981. Como condição para esse acordo, a Apple Computer (antigo nome da empresa de Steve Jobs), além do pagamento de multas, deveria manter-se fora do mercado de música.

Por causa desse mesmo acordo, duas outras ações contra a empresa de computadores foram abertas: em 1989, devido à capacidade dos Macs de tocarem arquivos MIDI, também encerrada com acordo extra-juduicial, e em 2003, após o lançamento do iPod e da iTunes Music Store. Neste último caso, a justiça deu ganho de causa à empresa de computadores. Por fim, em 2007, ambas as empresas anunciaram, conjuntamente e causando supresa, que todas as marcas – incluindo a maçã verde da Apple Records – passariam para as mãos da Apple, Inc e seriam apenas licenciadas pela Apple Corps quando fosse necessário.

Fonte: Geek



Publicado por Pastor Claybom, pai apaixonado, nerd como marca de nascimento, geek por paixão, adorador por excelência. Enfim, um servo de Deus que tenta entender tudo o que Ele nos oferece no dia a dia.



Deixe seu Comentário