Page optimized by WP Minify WordPress Plugin

 A influência Babilônica nos dias atuais | Pastor Claybom
nav-left cat-right
cat-right

A influência Babilônica nos dias atuais

babilonia_cidadeDesde que a arqueologia decodificou a escrita cuneiforme acadiana e suméria, que temos acesso à literaturas das traduções do Talmude Babilônico, nas crônicas dos reis e nos contos. Vocês pode ler sobre a origem babilônica de todas as religiões antigas e atuais na Enciclopédia Britânica, Enciclopédia de Interpretação Bíblica, Tradições Pagãs dos Feriados, em livros de historiadores como do judeu Flávio Josefo (quase contemporâneo de Jesus), etc. Bom, realmente não creio em homens e mulheres que se tornaram deuses, ou que foram recebidos no céu como, pois minha fé é somente no Senhor. Entretanto, estes contos existiram, e a religião babilônica ainda influencia o mundo contemporâneo, no que se chama: “Sistema Babilônico de Satanás”, pois a Bíblia Sagrada nos diz que tudo começou lá: Ap 17:1-5.

O VELHO MUNDO ATUAL

Ninrode, foi o primeiro grande homem depois do dilúvio universal a se rebelar contra o Senhor, estabelecendo um governo político, econômico e religioso mundial apóstata. Porque cria que o Deus do seu bisavó Noé era maligno ao desferir seu juízo, destruindo a terra e seus habitantes. Então ele conclamou o povo a erguer uma torre que arranhasse o céu, e ao chegar lá, com seus exércitos iria matá-lo (como se fosse possível) em uma “batalha entre poderosos”: Gn 11:1-9. Veja que “o mundo” que o Senhor menciona nas Escrituras se refere ao sistema babilônico, cujo o pai Satanás, ofereceu à Jesus se ele prostrado o adorasse: Lc 4:5-8. Note que o nosso calendário solar é um mero aperfeiçoamento do calendário babilônico, feito para adorar o deus sol nos equinócios e solstícios. O símbolo maior dos Estados Unidos é a estátua da liberdade, trata-se da rainha dos céus e deusa-mãe da fertilidade babilônica: Semíramis, cujo os pagãos contemporâneos da maçonaria elegeram durante a revolução francesa de 1789 como “símbolo da liberdade”. E foi a franco-maçonaria que presenteou os norte americanos em 1886 com esta estátua, representando a “luz dos povos”, tornando-se fonte de inspiração para o movimento sionista maçom. Veja que no verso da nota de um dólar tem o “selo” e a inscrição em latim: “Novus Ordo Seclorum” que representa a “nova ordem mundial babilônica”, que de nova não tem nada. Entretanto, no Brasil, o “pai do plano real”: Fernando Henrique, é rotulado de ateísta; mas, o que de fato ocorre, é que ele nega o verdadeiro Deus e recebe como seu senhor o deus criador do sistema babilônico, pois FHC é maçom. Prova disso está na própria moeda real, pegue na sua carteira uma cédula e verá a efígie de Semíramis e a inscrição: “Deus seja louvado”, sendo que, não se trata do Todo-Poderoso, criador do céus e da terra, mas na verdade, do mentor deste sistema mundial, em outras palavras, o deus que os maçons intitulam: “arquiteto do universo”.

TRIBUTOS QUE OS POVOS PAGAM AO “MENTOR DO MUNDO”

O CARNAVAL:
No século XI, foi criada a “semana santa” pelos católicos, festa que antecede os quarenta dias de jejum da quaresma; e nos três dias antes da “quarta-feira de cinzas”, a Igreja Católica introduz o chamado “carne vale”; um intervalo em que se pode dar grandes festas e banquetes com muita carne (veja a “terça-feira gorda”), antes dos dias da “abstinência”, visto que o carne vale se tornou o orgíaco “carnaval” de hoje: baseada no culto à Ishtar, deusa da sexualidade, além das “saturnálias” e “bacanais” (festa ao deus Baco) da antiguidade.

QUARESMA, DOMINGO DA RESSURREIÇÃO E PÁSCOA:

No quadragésimo dia da quaresma, quebra-se o jejum se comendo carne de porco, porque na época em que Tamuz ressuscitou, abateu-se o javali que o tinha matado. Após a adoração da quaresma ao deus sol (Ninrode-Talmuz), no primeiro domingo da páscoa é comemorado a ressurreição de Tamuz, mas também, a religião babilônica celebra a reencarnação de Semíramis como Ishtar, a deusa pagã da sexualidade. Segundo este conto, após Semíramis ser coroada a raínha dos céus pelo deus sol, tempos depois ela retorna como se caída do céu e emergida de um rio como Ishtar. Então o “domingo de Tamuz” agora é também chamado de “domingo de Ishtar”. Deixando de lado a páscoa pagã, de quaresma e coelho; visto que a páscoa judaica também perdeu o sentido, pois no pessach é necessário o sacrifício do cordeiro, que segundo a lei deuteronômica, somente pode ser feito no lugar santo: Dt 16:1-8, no templo do Senhor que em 70 d.C o imperador Tito destruiu. Ao rejeitar o Cordeiro de Deus, os judeus ficaram sem o pessach verdadeiro. Hoje, independendo do lugar físico que o cristão esteja, já recebemos em nós o Cordeiro que nos purificou: Jo 1:11-13, ou seja, a Santa Ceia é a nossa páscoa: I Co 5:7-11.

NATAL:

A religião babilônica ainda influência o mundo; no dia 25 de dezembro durante o solstício de inverno, os sacerdotes cananeus sacrificavam crianças de 3 meses à deusa Ishtar (ou Ashtaroth, dependendo do povo ou lugar) em uma celebração chamada “missa do menino” (um dos significados de missa é sacrifício). Tudo isso porque no dia 25 de dezembro nasceu o deus sol Ninrode (que era reencarnado em Tamuz); ora, os gregos diziam que Júpiter, o deus grego sol nasceu nesta data, o mesmo diziam os egípcios sobre o deus sol Rá, a mesma coisa diziam os romanos sobre o nascimento de Mitra, o deus sol persa que o pontifex maximus Constantino I adorava. O que mais assusta é a origem da árvore de natal. Semíramis alegava que um grande pinheiro havia crescido da noite para o dia de um pedaço de árvore morta, simbolizando o desabrochar da morte de Ninrode para uma nova vida todo ano, no dia de seu aniversário, Semíramis dizia que Ninrode visitava a árvore “sempre viva” e deixava presentes nela. Entretanto, o “natal” só passou a ser comemorado no século VI da nossa era, visto que esta data de 25 de dezembro, não tem em nada com o nascimento do Senhor Jesus, que a Bíblia não diz em nenhuma página, mas coincide muito com a data pagã.

A BABILÔNIA:
Aí você pode me perguntar que coincidência danada é essa? É que na época da Babel (Babilônia) antiga o mundo era um só, falando uma só língua, até que o Senhor resolveu confundi-los e espalha-los por toda a face da terra. Levando com eles esta religião do culto ao deus sol e sua rainha-mãe, que está entesourada para o dia da ira de Deus. Neste dia, todas estas imagens do sol, os ídolos de pau, de pedra, de barro, de gesso, de ferro de fundição, de prata e ouro que os homens fabricaram para pecar serão destruídos, assim como todos aqueles que não ouvirem sua palavra, para não se arrependerem da suas iniqüidades: Ap 9:20. Entretanto, o Senhor quer que o mundo se arrependa, indo após ele. Por isso, o Cristo foi enviado em sacrifício pelos nossos pecados, e antes de partir para sua glória, nos deixou mandamentos missionários. Saiba que a sua vinda será como nos dias de Noé; sendo este evangelho do Reino Deus apregoado a todas as gentes para o arrependimento, antes da chegada de repentina destruição: Mt 24:37-39. No entanto, o próprio Senhor diz sobre os que estão na Babilônia: “Sai dela, povo meu, para que não sejas participante dos seus pecados, e para que não incorras nas suas pragas. Porque já os seus pecados se acumularam até ao céu, e Deus se lembrou das iniqüidades dela.” Ap 18:4.

COMO SAIR DA BABILÔNIA:
Saia da Babilônia, se você invoca os mortos, faz consulta à espíritos, crê na reencarnação, é guiado por horóscopos, é praticante de feitiçaria ou ciências ocultas, veja na sua Bíblia em: Dt 18:10-12. Veja o juízo de Deus sobre estes: Ap 21:6-8 e Ap 22:14-15.

Saia da Babilônia, se você se encurva-se diante de imagens e faz delas “deuses”, veja em: Ex 20:4; Dt 4:16; Sl 134 [135]:15-18; Is 42:8; Is 44:13-17 e II Co 6:16-18. Veja o juízo de Deus sobre os idólatras: I Co 6:9; Gl 5:19-21; Ef 5:5; Ap 9:20; Ap 21:6-8 e Ap 22:14-15.

Saia da Babilônia, se você tem vários “intercessores” entre os mortos. Somente o Senhor Jesus é único mediador entre Deus e os homens, pois ele está vivo e assentado à direita do Poder, veja em: Jo 3:13; Jo 14:6; I Tm 2:5-6; Hb 3:1 e I Jo 2:1-2. As orações somente são feitas ao Pai Celestial. Pode-se pedir a Deus em nome do Senhor Jesus, como foi ensinado em: Mt 6:5-13; Jo 14:13-14 e Jo 16:26.

Saia da Babilônia, se você crê em visões e aparições que contrariam a palavra de Deus, veja em: II Co 11:14 e Gl 1:8. Entretanto, os “espíritos” dos que morreram não podem se comunicar com os vivos, a menos que algum dos mortos ressuscite, veja em: Lc 16:22-31 e Hb 9:27.

Saia da Babilônia, se você crê em tradições e dogmas que não se acham na Bíblia, e que são mandamentos de homens, veja em Mc 7:6-9.

Saia da Babilônia, se você tem desvios morais e vícios: Sl 1:1; Sl 50:18; Pv 20:1; Pv 23:20-21; Pv 23:30-35 e Ef 5:18, saiba que só o Senhor liberta. Veja o juízo para os carnais em: I Co 6:9-10; Gl 5:19-21; Ef 5:5; Hb 13:4; Tg 4:4; Ap 21:6-8 e Ap 22:14-15.

“Sai dela, povo meu…” Ap 18:4.

Graça e Paz!



Publicado por Pastor Claybom, pai apaixonado, nerd como marca de nascimento, geek por paixão, adorador por excelência. Enfim, um servo de Deus que tenta entender tudo o que Ele nos oferece no dia a dia.



3 Comentários para “A influência Babilônica nos dias atuais”

  1. Vinicius disse:

    Olá! Só como curiosidade, Israel em dezembro está em pleno inverno, sendo assim seria muito dificil haver pastores nos campos, como os pastores que visitaram Jesus no momento do nascimento. Sendo assim, é mais uma coisa que nos mostra que o nascimento de Jesus não tem nada a ver com esta festa pagã. O que nós temos que ter certeza é que Ele nasceu, não importa quando.

    Abraço!

  2. Wagner disse:

    Concordo plenamente com o Vinicius quando diz que “O que nós temos que ter certeza é que Ele nasceu, não importa quando”, de muitissima importancia esclarecimentos como este sobre o natal, sempre pergunto ao Senhor porque que nas igrejas evangelicas não tem ensinamentos ou mesmo exortacoes sobre coisas como simbolismos que às vezes usamos sem nos dar conta que estamos reverenciando ou mesmo carregando algo que nao pertence ou nem mesmo agrada o nosso Deus sem ao menor sabermos.Um evangelico usaria uma camisa com estampa de um “santo”?Acredito que nao, mas com certeza usaria uma camisa estampada com a estatua da “liberdade”(Semíramis) ou uma estrela de cinco pontas virada para baixo(representa a cabeça de bode de Mendes) entre muitos outros simbolos ocultistas. O Deus que nós servimos é muito maior que qualquer simbolo ou simbolismo porém precisamos evitar coisas que nao louvam ao nosso Deus.Quem quiser saber mais sobre simbolos ocultismo so procurar no google eu acho muito interessante tambem o site http://www.espada.eti.br/n1601.asp que contem muita informaçao importante outro tambem é http://www.tabernaculonet.com.br sites evangelicos que informam e até tem links para as fontes das materias comprovando o que dizem.Talvez seja impressao minha mas já notaram que aquecimento global já está se tornando uma religiao?Já vi um slogan “aquecimento global ou voce está dentro ou está fora”.
    Devemos estar atentos.E parabens pela iniciativa quero ver mais artigos deste tipo no blog.

    A paz do Senhor a todos

  3. Voce disse que para sair da babilônia o cristão deve se abster de adorar imagens, invocar os mortos, acreditar em aparições fantasmagóricas, usar intercessores entre Jesus e os homens Etc

    Mas voce sabia que a tal Babilônia sempre esteve presente no meio Judaico-cristão ?

    Inicialmente voce sabia que os querubins que são colocados na arca da aliança, de rosto humano, corpo de animal, e asas, É UM ELEMENTO DA MITOLOGIA BABILÔNICA ?

    GENESES E GILGAMESH

    Gilgamesh:
    “Naqueles dias a terra fervilhava, os homens multiplicavam-se e o mundo bramia como um touro selvagem. Este tumulto despertou o grande deus. Enlil ouviu o alvoroço e disse aos deuses reunidos em conselho: ‘O alvoroço dos humanos é intolerável, e o sono já não é mais possível por causa da balbúrdia.’ Os deuses então concordaram em exterminar a raça humana”.(SANDARS, 1992, p. 149).

    Biblia:
    “Viu o Senhor que a maldade do homem se havia multiplicado na terra, e que era continuamente mau todo desígnio do seu coração”.(GENESIS, cap. 6, ver. 5).

    “A terra estava corrompida à vista de Deus, e cheia de violência”.(GENESIS, cap. 6, ver 11).

    “Farei desaparecer da face da terra o homem que criei, o homem e o animal, os répteis, e as aves do céu; porque me arrependo de os haver feito”.(GENESIS, cap. 6, ver 7).

    o Diluvio:

    Gilgamesh:
    Enlil então envia uma tempestade de grandiosas proporções, fazendo com que toda a terra desaparecesse sobre as águas:

    “Caiu a noite e o cavaleiro da tempestade mandou a chuva.(…) Por seis dias e seis noites os ventos sopraram; enxurradas, inundações e torrentes assolaram o mundo; a tempestade e o dilúvio explodiam em fúria como dois exércitos em guerra.” (SANDARS, 1992, p. 151-153).

    Biblia:
    “… nesse dia romperam-se todas as fontes do grande abismo, e as portas do céu se abriram, e houve copiosa chuva sobre a terra durante quarenta dias e quarenta noites”.(GENESIS, cap. 7, ver. 11-12).

    DA BABILÔNIA VEIO A PRIMEIRA MÃE VIRGEM

    A trindade da Babilónia de Ninrode, o pai, Tamuz, o filho e Semíramis, a mãe virgem, foi transposta para o credo de Roma, que mais tarde se tornou o credo religioso do Cristianismo. A Trindade Babilónia continuou como o Pai (Nimrod) filho (Tamuz), e Espírito Santo, como Semíramis, na Babilónia, é simbolizado por uma pomba. “Maria” e “Jesus” em Natividade é a Praça de São Pedro, em Roma, é na verdade a Rainha Semíramis e Tamuz de Babilónia e em todo o mundo pré-cristão são, sob diferentes nomes. Nimrod, juntamente com a rainha Semiramis, foram descritas como metade humana, metade réptil.

    http://acttual.blogspot.com/2011/05/historia-da-religiao.html

    A INFLUÊNCIA DA BABILÔNIA É TÃO INDISCUTIVEL QUANTO FASCINANTE,

Deixe seu Comentário